Pages

22 de nov de 2010


ESSA É POLÊMIICA !

2
Geente tava daando uma olhada nuum site muito legaal e encontrei a seeguinte reportageem, veejam com atenção e digam o que acham !


O prazer anal dele

ATENÇÃO: ESTE CONTEÚDO POSSUI TEOR SEXUAL E É IMPRÓPRIO PARA MENORES DE 18 ANOS.

Em um episódio de Sex and The City, Miranda se envolve com um homem que gostava de cunete, isto é, sexo oral no ânus. Começou fazendo no dela e, no encontro seguinte, insinuou que gostaria de ter a carícia retribuída. Miranda declinou. É claro que o pedido virou assunto entre ela, Carrie, Samantha e Charlotte. Carrie disse não ser fã. Samantha, que preferia ganhar a oferecer. Charlotte, então casada, se disse adepta da prática e garantiu que Tray adorava ser estimulado na região. Se estivéssemos em Nova Yorque, dividindo a mesa com Carrie e companhia, qual seria a sua opinião sobre o tema? E a do seu namorado?

A usuária da rede social do Bolsa de Mulher Márcia Oliver se alinharia com a Charllote. "Sempre que estou fazendo preliminares no meu parceiro, procuro ir além. Adoro acariciar essa parte do homem", conta ela, se dizendo animada só de pensar. O namorado não demonstra tanta empolgação. "Ele até deixa acariciar, mas não permite que eu vá muito longe", revela Márcia, certa de que entre quatro paredes vale tudo. "Se os dois gostam deixa rolar", diz.

Já Sandra, também participante da nossa rede social, conta a sua experiência: "Morria de vontade, mas meu marido nunca havia pedido. Mesmo assim, eu tinha certeza de que ele sentiria prazer porque é uma região do corpo que é igual à nossa. Então, se a gente gosta, eles também gostam", teoriza. Adivinha o que aconteceu? "Ele adorou! Fiquei feliz por ele ter gostado e acho que é um carinho para se fazer às vezes, assim como gosto que ele faça em mim. Entre um casal, trocar prazeres é trocar amor", diz ela.


Preconceito

A usuária Cacau estava vendo um filme em que a mulher penetrava o parceiro. "Meu marido notou que fiquei interessada e excitada com a situação. Então, sugeriu que eu o penetrasse. A primeira vez o penetrei com o dedo e foi muito bom. Um belo dia compramos brinquedinhos de forma que eu podia assumir a posição de ativa na relação. Foi melhor ainda", revela, acrescentando que isso não tem nada a ver com homossexualismo. "Respeito a opinião de quem não quer experimentar, mas afirmar que um homem é gay por se deixar penetrar pela parceira é preconceito", acha ela, que está aprendendo a se soltar mais na cama.

Segundo o Psicólogo e Pesquisador do Instituto Paulista de Sexualidade, Diego Henrique Viviani, o prazer é uma sensação completamente subjetiva. "Cada homem e cada mulher irá sentir sensações prazerosas de acordo com seu próprio repertório, algo construído ao longo dos anos através de suas experiências", explica ele, salientando que existem locais que apresentam maior quantidade de terminações nervosas e que possibilitarão uma maior sensibilidade, mas é necessário perceber como cada pessoa entende isso. "A glande é uma das áreas onde a maior parte dos homens dirá que existe maior excitação, mas existem casos em que homens dirão que estimulação diretamente lá causará aversão em vez de prazer", exemplifica o psicólogo.

Diego cita alguns estudos que dizem que o ânus e o períneo são lugares altamente erógenos, porém temos que nos atentar ao que cada homem entenderá como prazeroso. "Nossa sociedade prega que estimulação anal é praticada somente por homossexuais, o que não procede. Mas se um homem passou a vida com este tipo de ensinamento e tomou isso como parte de sua realidade, muito provavelmente entenderá isso como estímulo aversivo, invasivo, tendencioso", explica o psicólogo, esclarecendo que o prazer através da estimulação anal pode acontecer e ser bem sucedido, mas deverá acontecer de forma consensual. "Caso contrário não estamos falando de proporcionar prazer e sim de violar a confiança, invadir territórios e crenças", afirma.

Para Diego, o tema envolve a liberdade de expressão da sexualidade de cada um. "Se por algum motivo a parceira acreditar que isso seria bom para relação, a melhor coisa a fazer é perguntar se pode ser tentado", sugere.

Uma coisa é uma coisa

Gostar de estímulos em uma parte do corpo não determina a preferência sexual de uma pessoa. "Quando falamos de homossexualidade falamos de desejo sexual por pessoas do mesmo sexo, ou seja, não pura e simples estimulação localizada feita por uma pessoa do sexo oposto, em quem confiamos", explica Diego, ressaltando a importância de se ter uma boa comunicação. "É preciso ter confiança e cumplicidade para que essa possibilidade possa ser explorada de maneira saudável, sem preconceitos e receios", conclui.

2 comentários:

Anônimo disse...

euu gostei do assunto + n deixaria a minha parceira penetrar em mim

Modismo Sem Moda disse...

olá. Parabéns pelo blog. Sucesso!
estou seguindo, espero sua retribuição!
http://modismosemmoda.blogspot.com

Postar um comentário

ée meeu, ée seeu, ée nosso ;*